Up

Dietas sem glúten e lactose emagrecem?

O glúten e a lactose estão sendo alvo de polêmicas sobre a sua retirada da alimentação com o objetivo de emagrecer. Eles são mocinhos ou vilões, engordam ou emagrecem, fazem tão mal à saúde? Primeiro precisamos entender o que é a sensibilidade ao glúten e a intolerância à lactose.

Qual a diferença entre alergia e intolerância?

Segundo o Consenso Brasileiro de Alergia Alimentar (2007) nas alergias alimentares o sistema imunológico reage aos alimentos produzindo anticorpos, que faz com que os mastócitos liberem histamina, responsável pelos sintomas alérgicos. Pode ser causado por herança genética, hábitos alimentares, doenças infecciosas, idade. A intolerância alimentar não envolve anticorpos.

SENSIBILIDADE AO GLUTEN X DOENÇA CELÍACA (alergia ao glúten)

A doença celíaca é um distúrbio inflamatório crônico do intestino delgado que afeta 1% da população. Resposta imunológica intensificada ao glúten ingerido (trigo, aveia, cevada e centeio). O tratamento é a retirada do glúten da alimentação.

Em 2012  sugeriu-se uma nova nomenclatura e classificação, com três condições induzidas pelo glúten – doença celíaca, alergia ao trigo e sensibilidade ao glúten não celíaca. A alergia ao trigo é definida como uma reação imunológica adversa às proteínas do trigo mediada por IgE – pode apresentar-se com sintomas respiratórios (“asma do padeiro” ou rinite, mais comum em adultos), alergia alimentar (sintomas gastrintestinais, urticária, angioedema ou dermatite atópica; principalmente em crianças) e urticária de contato. Os testes para alergia ao trigo incluem dosagem sérica de IgE ou testes cutâneos para o trigo.

A sensibilidade ao glúten não celíaca é uma forma de intolerância ao glúten quando a doença celíaca e a alergia ao trigo foram excluídas e se apresenta principalmente com desconforto abdominal, distensão abdominal, dor e diarréia ou a uma variedade de sintomas como dores de cabeça, “mente nebulosa”, depressão, fadiga, dores músculo esqueléticas e erupções cutâneas.

Alimentos substitutos:

– massas de arroz, milho, quinoa
– farinha de arroz, milho, quinoa, amido de milho, tapioca, mandioca, soja, araruta, polvilho doce e azedo, sagu…

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

Incapacidade parcial ou total para digerir a lactose. Na maioria dos mamíferos a atividade da enzima lactase diminui na parede intestinal após o desmame (Hipolactasia), provocando sintomas de intolerância à lactose. A intensidade dos sintomas de distensão, flatulência, dor abdominal e diarreia variam, dependendo da quantidade de lactose ingerida, e aumentam com o passar da idade. A intolerância pode ser leve, moderada ou severa, e a retirada parcial ou total dos produtos lácteos dependerá do grau de intolerância.

Para evitar os prejuízos nutricionais decorrentes da exclusão total e definitiva da lactose da dieta, após exclusão inicial de lactose, geralmente é recomendada a reintrodução gradual de acordo com o limiar sintomático de cada indivíduo. Normalmente o leite tem os piores sintomas, seguido do iogurte e depois os queijos. A exclusão total e definitiva da lactose deve ser evitada para evitar deficiência na ingestão de cálcio.

SUBSTITUTOS: Já existem inúmeros produtos “LACFREE” :

iogurtes, queijos, leites ou substituir por leite de soja, leite de arroz, queijos com menor teor de lactose (cheddar, mussarela de búfala, cabra)

ALIMENTOS RICOS EM LACTOSE: leite de vaca, leite de cabra, queijos frescos, creme de leite, manteiga, requeijão, iogurtes

MITO: retirar glúten e lactose da dieta NÃO emagrece!

Não há evidências científicas que a retirada do glúten ou da lactose da alimentação promova perda de peso. Emagrecer é uma equação entre o que ingerimos e o que gastamos. Precisamos reduzir a ingestão calórica dos alimentos e/ ou aumentar exercício físico (Gasto energético), promovendo balanço energético negativo.

A preocupação em substituir os alimentos ricos em glúten ou lactose deve ser com o objetivo de tratar alergias e intolerâncias alimentares diagnosticadas, para amenizar os sintomas. O valor calórico dos alimentos substitutos do trigo/ aveia/ centeio/cevada não é menor, são similares, portanto não promovem redução calórica na preparação.

A indústria lançou inúmeros produtos e introduziu nos rótulos as informações  “LACFREE” e “NÃO CONTÉM GLUTEN”. Estes produtos possuem valores nutricionais semelhantes, o objetivo é trazer maior variedade alimentar, evitar a monotonia dos programas alimentares e fornecer informação precisa ao consumidor que não pode consumir estes alimentos.


ABOUT THE AUTHOR
Cris Perroni

Cris Perroni

<p>Pós graduada em Ciência da Performance Humana pela UFRJ, Eepecialista em Nutrição Clínica, Nutrição Esportiva e Emagrecimento Nutrição clínica. Trabalha com consultoria e assessoria na área de nutrição. Elaboração de Texto e assessoria em Nutrição para o Site Eu Atleta.</p>